Material informático condiciona recenseamento eleitoral em Nampula

Volvidos três dias do arranque do recenseamento eleitoral que está a decorrer a escala nacional, para o escrutínio de Outubro próximo, o funcionamento deficitários do material informático derivado a avaria dos painéis solares que asseguram o carregamento das baterias, falta de domínio dos computadores por parte de alguns brigadistas recrutados para o efeito, entre outros factores, estão a condicionar sobremaneira o processo.

A título de exemplo, no poso de recenseamento da EP1 de Ribáuè, o processo de inscrição de apenas um eleitor leva cerca de 20 minutos, devido a avarias constantes dos mobiles, o que faz com alguns cidadão desistam de ficar nas filas. Aliás, neste terceiro dia, a situação agravou-se e os postos estão as moscas, devido as chuvas que está a se fazer sentir naquela circunscrição geográfica.

Informações colhidas  a partir do distrito de Nacarôa, na vila-sede funcionam apenas três postos de recenseamento devido ao mencionado problema que se regista no material informático.

A titulo de exemplo, na EPC de Mutomote localizado na cidade de Nampula, os problemas afetam apenas na impressão digital, o que fez com que alguns cidadãos inscritos tivessem que regressar outra data a fim para levantar o seus cartões.

Ainda em Nampula, grande parte de eleitores foram privados de se recensear, por terem apresentado documento de espera bilhete, isto no posto instalado no Instituto Industrial e Comercial 3 de Fevereiro.

Na vila sede do distrito de Monapo, concretamente na EPC de Napacala, no primeiro dia do processo, foram inscritos apenas três eleitores, devido a avaria do computador.

Por outro lado, algumas localidades mais recônditas, o processo não arrancou na data prevista, isto é, 15 de Abril corrente. Um dos tratores que transportava o material de recenseamento enterrou, o que obrigou a pernoitarem no local, enquanto aguardavam por uma equipa de socorro.

Não obstante a estes constrangimentos, pelo menos os postos instalados nas vilas-sedes de  Liúpo, Murrupula e Mossuril o cenário  mostra o contrario, com o registo de uma afluência massiva de eleitores, onde grande parte são mulheres e jovens.

Reagindo aos constrangimentos que verificam com os equipamentos informáticos, Daniel Ramos, Presidente da Comissão Provincial de Eleições de Nampula (CPE), desdramatizou a situação considerado de uma ato normal, tratando-se dos primeiros dias do processo. Aliás, assegurou que tudo será resolvido e tal facto não vai comprometer as metas planificadas situada em mais de dois milhões e quinhentos mil eleitores.

A prioridade neste momento é mobilizar maior número de eleitores para se dirigir aos potos de recenseamento. Concluiu Ramos. (x)