Deficiente funcionamento coloca Recenseamento em “banho-maria” – A dez dias para o termino do censo eleitoral o maior circulo do país inscreveu 56.62%

Um  número significativo de brigadas de recenseamento, sobretudo fixas instaladas um pouco por toda a província de Nampula, ficaram mais de duas semanas sem o devido funcionamento, situação que influenciou negativamente o processo em curso, consequentemente, comprometido as metas planificadas para o efeito. Tal situação compromete o dever cívico de milhares de cidadãos porque não poderão votar no escrutínio de 15 de Outubro próximo, e consequentemente, haverá a redução de mandatos, quanto comparado com actual legislativa.

Por outro lado, grande número de eleitores poderão ficar inibidas de exercer o seus direito cívico o de votar nas próximas eleições gerais de Outubro próximo, por não ter conseguido recensear.

Problemas relacionados com a falta de boletins, avaria dos mobiles e as respectivas impressoras, entre outros problemas, são dentre vários constrangimentos, apontados como sendo o principais problemas.

Informações avançadas pelos nossos observadores envolvidos no processo de monitoria do censo eleitoral, dão conta que a brigada afeta a EPC de Jagoma-sede, no distrito costeiro de Moma, encontra-se sem inscrever os eleitores desde 30 de Abril a esta parte, alegadamente por avaria do computador.

O caso foi notificado pontualmente ao STAE distrital, que destacou técnicos ao local para a recolha do equipamento para a reparação, mas que nunca chegou a ser devolvido e muito menos substituído por outro.

Dos dias em que o mencionado posto de recenseamento em causa funcionou, inscreveu apenas 914 eleitores, destes 167 aguardam pelos seus cartões, visto que não foram impressos devido a avaria de impressora.

No distrito de Angoche, dos 56 postos de recenseamento instalados, dos quais quatro moveis, pelo menos 27 ficaram mais de uma semana sem funcionar e seis foram abandonados, nomeadamente, Yatá, Maziuane, Yarruba, Boila-a-velha, Nanluko e Emopesca.

Em Malema, conflitos politicos entre os dois maiores partidos estão a condicionar o funcionamento de algumas brigadas de recenseamento eleitoral. A título de exemplo a brigada de Miche, desde que o censo arrancou nunca chegou a registar eleitores.

No distrito de Nacarôa, a população percorre mais de vinte quilômetros a procura de brigadas de recenseamento para se inscrever, uma vez que o processo de distribuição  ter registado falhas na coordenado entre os órgãos de gestão eleitoral a nível do distrito.

Na cidade de Nampula mais da metade dos postos de recenseamento eleitoral, também, ficaram mais de uma semana sem funcionar derivado dos problemas relacionados com avaria dos computadores e impressoras, falta de boletins entre outros. Para esta circunscrição geográfica, a paralisação afecta grande parte dos brigadas de recenseamento instaladas instaladas nos bairros periféricos.

a título de exemplo, a equipa da Sold.Moz-ADS efectuou uma ronda um pouco por todos os barros, tendo se confrontado com as paralisações nas brigadas instaladas na EPC de Mthita, EPC da Pedreira a quatro semanas, e EPC Cerâmica mais de uma semana, Campo do Matchedje cerca de sete dias, EPC Maria da Luz Guebuza, tres dias, EPC da Barragem, com mais de cinco dias, IPT, sistematicamente, EAE- UC Eduardo Mondlane, iniciou dia 17 de abril, mesmo assim esta a 3 semanas sem funcionar. EPC de Motomote paralisado a duas semanas, entre outras.

A semelhança de outros pontos da província, o distrito autárquico de Nacala-Porto, pelo menos sete postos de recenseamento, também estiveram “mergulhados num mar de problemas”, que terá condicionado o censo , concretamente em Murrupelane, onde o posto ficou dias sem brigadistas, Micajune, Miramar e Matola ficaram cerca de uma semana sem trabalhar por falta de boletins, 25 de setembro, com problemas de oscilação do mobile, no  triângulo, paralisado por avaria de mobile e falta de boletins.

A dez dias do fim do processo de recenseamento eleitoral, a província de Nampula,por sinal o maior circulo eleitoral do país, dos 1.702.104 eleitores previstos, inscreveu 963.703 potenciais eleitores, o que corresponde a 56.62 %.

Na Ilha de Moçambique e Mossuril idosos em peso nos postos

Contrariamente ao que se vive na cidade de Nampula caracterizado por total ausência de eleitores nos postos de recenseamento, os distritos costeiros mostraram o inverso, onde é notória a existência de longas filas de potenciais eleitores, sobretudo  idosos, pretendendo a todo custo  recensear.

Ao obstante a este a esta grande procura de postos de recenseamento pelos eleitores, a possibilidade dos distritos da província de Nampula, atingir as metas estabelecidas para o efeito, está longe de atingir.

A título de exemplo, o distrito de Mogincual, com catorze postos de recenseamento instalados dos quais oito fixos, dos  21.391 eleitores planificados, até o dia 20 de Maio em curso, inscreveu 11.471 eleitores, corresponde a 25 por cento.