Quem Somos

A Solidariedade Moçambique (SOLDMOZ-ADS) é uma Organização Nacional Moçambicana, de âmbito nacional, que surge em finais de 2012 na cidade de Nampula, com grupo de profissionais sociais e académicos a trabalharem em diferentes organizações e Universidades das Cidades de Nampula e Maputo, agastados pela má gestão e governação da coisa pública, não respeito pela diversidade, pela pilhagem de recursos naturais, corrupção desmedida, conflitos de interesses, exclusão democrática, violação sistemática de direitos humanos, ausência da cultura de estado e de cidadania e não respeito pelo meio ambiente.

 

Nossas motivações

Estas foram as razões que motivaram aos fundadores a se juntarem para criar a “Solidariedade Moçambique”, a qual se pretende ser uma plataforma de diálogo e interação entre cidadãos e tomadores de decisão. Reconhecendo que nenhuma acção política de mudança poderá acontecer se nós, cidadãs e cidadãos, não acreditarmos que ela pode, precisa e queremos que aconteça. Reconhecendo as contribuições e os esforços que estão sendo feitos por diferentes intervenientes e instituições na contribuição da problemática da pobreza nacional, constituiu factor decisório para a criação de sinergias para uma causa comum. A dúvida só retarda a acção efectiva.

 

Objectivo da SOLDMOZ

Em todas as acções da Solidariedade Moçambique (SOLDMOZ-ADS) o objectivo final é permitir que as pessoas exerçam os seus direitos de forma condigna, participando activamente nos processos de desenvolvimento, governação e gerenciando de forma sustentável as suas próprias vidas através de acesso aos recursos naturais e da boa governação. SoldMoz, trabalha directamente com as comunidades pobres e marginalizadas com vista a influenciar aos tomadores de decisões a sua inclusão para que estes possam melhorar as suas condições devida.Nas suas acções aborda as causas estruturais da pobreza, da injustiça e da má governação e trabalha principalmente com as organizações comunitárias de base que representam as comunidades locais, com vista a melhorarem a sua eficiência e eficácia na defesa dos direitos e interesses das suas próprias comunidades e dos recursos naturais que constituem a sua herança natural.